terça-feira, 31 de outubro de 2017

Flamengo recebe proposta de 30 milhões de euros por jogador



O Flamengo é atualmente o time que mais vem revelando grandes jogadores para o futebol brasileiro, até porque nas categorias de base da Seleção Brasileira sempre tem um representante do Rubro-Negro.


Com vista em montar um elenco supercompetitivo, a diretoria do Mengão tem o desejo de manter grandes jogadores em seu elenco.

 Por isso, tentará segurar as novas joias da base, mas será difícil após a proposta que o clube carioca recebeu do Barcelona.

Diversos clubes europeus estão com um grande interesse no atacante da Seleção Brasileira Sub-17 Lincoln, que é um típico camisa 9 que anda em extinção ultimamente no futebol brasileiro.

A proposta foi feita pelo Barcelona, da Espanha, para os empresários do centroavante.

Representantes do Barça fizeram questão de conversar com os empresários do jogador e demonstrar o interesse que tem em pagar a multa rescisória de 30 milhões de euros ao Flamengo, o que daria cerca de R$ 115 milhões.

A multa rescisória de Lincoln é extremamente alta para proteger a joia da base do clube, Como o pagamento para ter o jogador será muito lucrativo para o Flamengo, o clube espanhol já deseja negociar com o jogador para tê-lo quando completar 18 anos, pois nenhum jogador pode ser transferido para outro país antes de completar a maioridade no Brasil.

Outros clubes querem o jogador
Real Madrid e Juventus também desejam o jogador quando completar 18 anos. Lincoln deve ser um grande craque e já que demonstrou muita raça na Seleção Brasileira.

Por isso, despertou atenção dos melhores clubes do mundo todo.

O Barcelona deseja usar a mesma tática que usou para ter a contratação do Neymar em 2013. Por isso, já vem conversando com a família e empresário do jogador antes de começarem as relações de transferência.

Vinícius Júnior foi a última grande revelação do Flamengo e já foi vendido para o Real Madrid. Assim que a joia do Rubro-Negro carioca completar os 18 anos, será transferido para o clube espanhol. Ele foi negociado logo cedo, assim como deve acontecer com o atacante Lincoln.

Porém, desta vez, o Mengão deseja segurar mais o jogador e mantê-lo para usá-lo no elenco principal e conseguir conquistar alguns títulos com o grande craque. A especulação de que Lincoln pode ficar mais tempo aumenta ainda mais com a possível saída do peruano Guerrero. Lincoln acabou de disputar o Mundial Sub-17 com a Seleção Brasileira, que ficou em 3º lugar.

Fonte: Blasting News

Jornalista garante saída de Márcio Araújo do Flamengo



Um dos jogadores mais contestados pela torcida, Márcio Araújo parece estar com o futuro fora do Flamengo. Pelo menos, é isso que garante o jornalista André Xavier.


Pelo twitter, questionado por um torcedor sobre a permanência do volante, cravou: “Marcinho não fica”.

O jornalista não deu pistas sobre qual time o atleta irá defender, ou se será vendido ou emprestado. Lembrando que o volante tem contrato até o final do ano, mas com extensão automática por mais uma temporada.

No Flamengo desde 2014, o camisa 8 vestiu o manto sagrado 205 vezes, marcando três gols e distribuindo seis assistências.

Fonte: Coluna do Flamengo

Flamengo avalia contrato simbólico para tratamento de Ederson



O meia-atacante Ederson deu mais um passo na recuperação de um câncer no testículo que o tirou dos gramados sem data para voltar.


Ontem, o jogador voltou a treinar no Ninho do Urubu com os demais jogadores do Flamengo e fez uma atividade leve na academia do CT.

O plano do clube é dar todo o amparo ao atleta, que faz exame esta semana para confirmar a remissão da doença.

Não está descartado que a diretoria amplie o vínculo que se encerra em dezembro por pelo menos mais seis meses e Ederson faça um contrato simbólico, para que se recupere totalmente e, ao fim do novo prazo, receba uma homenagem. Ainda não está em discussão a continuidade da carreira do jogador.

- É com muita felicidade e gratidão que retorno à minhas atividades. De forma gradual irei retomar minha rotina de treinamentos e a cada dia ficar mais próximo de voltar a fazer o que mais amo! Vamos com força máxima nessa nova fase! - postou Ederson após o treino.

Embora tenha apenas 31 anos, seu histórico recente de problemas médicos é extenso. Mas nada tão grave como agora. Mesmo assim, os médicos acreditam em cura e que ele possa voltar a jogar.

O próximo passo é retornar às atividades com os demais jogadores no campo, com bola. A batalha recomeça com a necessidade de readquirir o ritmo de jogo que o atleta demorou a atingir depois de se recuperar de um problema no joelho direito. A lesão foi em 2016, mas Ederson só voltou a atuar em maio de 2017. Depois de sete partidas, o jogador não foi mais aproveitado e, em julho, revelou o tumor no testículo, retirado em cirurgia.

Fonte: Extra Globo

Veja a provável escalação do Flamengo para o clássico decisivo



Mudando o foco do Campeonato Brasileiro para a Copa Sul-Americana, o Flamengo tem um confronto decisivo na noite da próxima quarta-feira (01), contra o Fluminense, no Maracanã.


O Mais Querido luta em busca de uma vaga na semifinal no campeonato que pode salvar o ano de fiascos.

Para o clássico, o técnico Reinaldo Rueda não terá à disposição o centroavante Paolo Guerrero, ainda vetado pelo Departamento Médico do Fla, o capitão Réver, que ainda se recupera de uma lesão e Orlando Berrío, que ficará pelo menos oito meses fora por conta de lesão.

Sem as opções supracitadas, o Flamengo deve ir a campo com: Diego Alves; Pará, Juan, Rhodolfo e Trauco; Cuéllar, Arão e Diego; Éverton Ribeiro, Lucas Paquetá e Everton.

A bola rola às 21h45 – de Brasília (horário brasileiro de verão) – com mando de campo do Flamengo. O rubro-negro venceu a primeira partida no último dia 25 por 1 a 0, também no Maracanã.

Fonte: Coluna do Flamengo

Rueda pede substituto imediato para Guerrero na próxima temporada



O fim de temporada vai chegando no Mengão e, após ganhar somente o carioca e perder os outros títulos que disputou —a Copa Sul-Americana encontra-se nas quartas de final—, resta apenas pensar em 2018.


Durante a coletiva de imprensa realizada início da tarde desta terça-feira (31), Reinaldo Rueda disse que o Flamengo precisa pensar em outros nomes para substituto imediato de Paolo Guerrero, que – na atual temporada – desfalcou o Fla em ocasiões importantes, tanto por lesão quanto por idas à Seleção Peruana.


“Essa situação de Guerrero falei há muito tempo com a diretoria. O Flamengo precisa pensar em alternativa a parte de Vizeu, de Paquetá, temos que contar com outro jogador. Ele vai ter série de compromissos. Tanto sobre ele como sobre Trauco também. Vivi isso quando classifiquei com Honduras depois de 28 anos para uma Copa. Existem distrações diversas para um jogador que vai para a Copa, ainda mais para quem não está acostumado a jogar Mundial. Para o brasileiro, ir a todos Mundiais é normal. Mas para uma cultura futebolística que passa gerações sem ir a Copa é outra coisa” – disse Rueda.

Com Guerrero fora, o Flamengo vai a campo na próxima quarta-feira (01), contra o Fluminense. A partida é válida pelo jogo de volta das quarta de finais de Copa Sul-Americana. O rubro-negro tem a vantagem por ganhar no primeiro jogo.

Fonte: Coluna do Flamengo

Guerrero é contactado pelo River Plate



Com a indefinição da renovação de contrato de Guerrero com o Flamengo, as especulações sobre uma possível saída do atacante continuam a todo vapor e o seu nome voltou a ser ventilado no River Plate.


Em busca de um camisa 9 para a próxima temporada, o clube argentino tem o aval do técnico Marcelo Gallardo para a levar Paolo Guerrero.


O jornal peruano “El Bocón” publicou a informação de que o Flamengo ainda não chegou a uma definição sobre a renovação de contrato com o peruano. A escassez de gols e a sua idade, o jogador completará 34 anos, pesam na decisão final.

O seu vínculo com o Fla termina em dezembro de 2018 e caso não chegue a uma definição, Guerrero poderá assinar um pré-contrato com outro clube e sair de graça.

Fonte: Coluna do Flamengo

Mozer quebra silêncio e rebate críticas ao Flamengo: "Ganhamos um título"



Mozer quebrou o silêncio. Nove meses depois da última coletiva no Flamengo, o ídolo e atual gerente de futebol do clube falou com exclusividade ao UOL Esporte.


A entrevista foi realizada na última sexta-feira (27), na sala de reunião da diretoria no CT Ninho do Urubu.

Por mais de uma hora, o campeão do mundo pelo Rubro-negro em 1981 respondeu aos questionamentos sobre o elenco milionário e se defendeu das críticas pela falta de resultados no futebol.

O gerente, no cargo desde junho de 2016, recordou a conquista do Campeonato Carioca invicto na atual temporada quando questionado sobre a falta de títulos de expressão. Ele também exaltou o trabalho realizado no departamento de futebol, falou sobre a função que exerce no dia a dia e o fato de não dar entrevistas.

Jogadores perseguidos, reformulação e outros aspectos envolvendo o Flamengo também compuseram o encontro. Confira abaixo a entrevista exclusiva com Mozer:

UOL Esporte: Você já fez de tudo um pouco no futebol. Foi técnico, comentarista e agora gerente de futebol do Flamengo. Ainda tem um sonho? Qual é o seu objetivo?
Mozer: Quero consolidar o trabalho aqui no Flamengo. Foi para isso que me trouxeram de volta. Cheguei para agregar e ajudar o clube a se manter em um bom caminho. É o objetivo de todos aqui dentro. Acredito muito no que está sendo feito.

UOL Esporte: Você é um ídolo da história rubro-negra e foi bem recebido pela torcida no retorno. Mas como avalia o seu trabalho de acordo com a proposta que foi oferecida pelos dirigentes? Qual é exatamente a sua função?
Mozer: Fui contratado para dividir a gerência com o Rodrigo Caetano [diretor executivo de futebol]. Ele está mais na parte administrativa e tem muitas ocupações. Uma pessoa só no cargo se torna bastante sacrificante. Fiquei mais com a parte próxima ao treinador, campo e categorias de base. O Rodrigo fica com as questões burocráticas e decisivas do futebol. Esse trabalho está sendo fantástico. O Flamengo mudou e montou uma estrutura extremamente profissional. Conduzimos para que seja um clube vitorioso.

UOL Esporte: Muitos, porém, criticam o seu trabalho. Consideram que você aparece pouco, não costuma dar entrevistas e também cobram que um campeão do mundo "mostre a cara" pelo conhecimento que tem do clube. Concorda? Mudaria algo na forma de atuar?
Mozer: Temos regulamentos no Flamengo. Existe hierarquia. A minha função aqui não é dar entrevista. A minha função é trabalhar e reportar ao Rodrigo Caetano tudo o que está acontecendo. Eu tenho que reportar ao presidente, se ele assim achar que devo. Eles não cobram que eu fale nada. Sigo exatamente o que fui colocado para fazer. Não voltei ao Flamengo para dar entrevista toda semana. O meu trabalho é ver se as coisas estão bem, aconselhar o treinador, conversar com os meus jogadores, observar a parte clínica e priorizar as categorias de base para que tenhamos cada vez mais valores da casa no time de cima. Nesse campo, tudo está indo de forma ótima. Reporto as notícias ao Caetano e ele fala quando considera necessário. Temos regulamentos para que as coisas continuem serenas. Por isso, o Flamengo está indo bem.

UOL Esporte: O Flamengo foi eliminado da Copa Libertadores na primeira fase, ficou com o vice-campeonato da Copa do Brasil e tem uma campanha irregular no Campeonato Brasileiro. A temporada deixa a desejar por conta do investimento no elenco?
Mozer: De maneira nenhuma. Cheguei no ano passado e a equipe fez um excelente trabalho. Terminamos em terceiro lugar no Campeonato Brasileiro. Tivemos uma recuperação enorme e esse caminho melhorou muito. Alcançamos três finais em 2017: Taça Guanabara, Campeonato Carioca e Copa do Brasil. Estamos nas quartas da Sul-Americana e em uma situação não muito boa no Brasileirão. Temos, porém, plenas condições de recuperar a equipe e terminar no G-4. É o nosso objetivo. A possibilidade que o Flamengo teve, até o presente momento, é muito boa. Leio muito e escuto. Se avaliarmos junto aos clubes com o mesmo grau de importância, quando dizem que fazem temporadas brilhantes, afirmo que gostaria de ver o Flamengo incluído na lista. Falam do Botafogo, Fluminense, de outros clubes até que não disputaram finais. Não ganharam nada e também foram eliminados de competições internacionais. Mas a análise que fazem está muito longe do trabalho que o Flamengo realiza. Ainda temos possibilidades de alcançar o que propusemos para o ano. Essa avaliação é completamente incorreta, injusta e desrespeitosa no meu ponto de vista.

Gilvan de Souza/ Flamengo

Mozer funciona como um conselheiro junto ao técnico e ao elenco no Ninho do Urubu
UOL Esporte: Torcida e imprensa destacam com frequência uma possível falta de vontade do atual time do Flamengo. Isso incomoda? Concorda com as críticas?
Mozer: Não me incomoda, mas acho que é algo pouco inteligente dizer que o Flamengo é um time de bananas. Se fizermos um apanhado das gestões anteriores e compararmos com a dirigida pelo presidente Bandeira, teremos de concreto classificações medíocres no Campeonato Brasileiro. O Flamengo deve ter ficado duas vezes em terceiro lugar, foi campeão em 2009 e depois frequentou do meio da tabela para baixo. A avaliação global do trabalho da direção, que construiu visualmente estruturas e deu melhores condições de trabalho, acaba não contando muito. As pessoas têm memória curta. Foram anos com jogadores se recusando a atuar no Flamengo. O clube não cumpria com salários. Essa direção acabou com isso. O Flamengo tem credibilidade no mercado, paga em dia e não temos problemas com indisciplina. Também não posso concordar quando falam que o futebol não tem comando. Acabamos dando muita voz para pessoas que nunca fizeram nada pelo Flamengo. Isso me choca bastante. É verdade que não ganhamos duas finais no ano, mas chamar essa campanha de medíocre é errado. Só peço para que os torcedores avaliem o passado e pensem bem no que realizamos agora. Falar só por resultados não é o melhor caminho. É claro que precisamos ganhar jogos, mas os adversários também nos encaram com uma motivação muito maior por tudo o que o Flamengo representa hoje em dia. A torcida tem a missão de dar confiança aos nossos jogadores. Queremos o clube disputando títulos em todos os anos. Não adianta ganhar uma vez e ficar cinco anos sem conquistar nada. Trabalhamos para solidificar o futebol do Flamengo, assim como a direção reconstruiu o clube nos aspectos econômico e de credibilidade. Incomodamos muita gente. Precisamos tomar cuidado com isso.

UOL Esporte: Mas existe o reconhecimento do trabalho realizado na questão estrutural e financeira do Flamengo por parte da torcida e da imprensa. O "calo", como o próprio presidente admitiu antes de ser reeleito, está no futebol. Creio que todos na gestão consideram que conquistar títulos de expressão é algo fundamental. Certo?
Mozer: Nós ganhamos um título esse ano.
UOL Esporte: Título de expressão?
Mozer: Todo título tem expressão. Se você não ganha um Campeonato Carioca, o Flamengo vira um inferno. Você tem dúvida disso? Já ganhamos um título, é bom que todo mundo saiba. Temos a possibilidade de ganhar a Copa Sul-Americana e faremos todo o esforço para isso. Pedimos que a torcida esteja conosco e nos ajude a conquistar mais um título de expressão, como assim você disse. Valorizamos todas as conquistas no meio do futebol. Nenhum título é fácil. Se tivéssemos conquistado a Copa do Brasil, o discurso seria completamente diferente.

UOL Esporte: O que falta então para o trabalho do futebol dar certo no Flamengo? Já que o que fica na história do clube são conquistas...
Mozer: Aponto para 1981. Foi um time mágico, não é? Mas demorou alguns anos para ganhar. A equipe começou a ser formada em 1975. Foram seis anos. A direção do Bandeira tem menos tempo do que isso e trouxe a credibilidade de volta ao clube. Estávamos na penumbra. O futebol foi atacado na sequência. Temos dois anos do projeto novo. Ah, mas quantos anos para ganhar? Não sei. O caminho é para nos aproximar do êxito. Já estamos frequentando finais e próximos de outras decisões. Efetivamente, em relação ao time histórico de 1981, estamos com uma antecedência de pelo menos dois anos de êxito. Isso nos dá muita esperança de chegar mais rápido ao topo.

UOL Esporte: Márcio Araújo, Gabriel, Alex Muralha e Rafael Vaz são alguns jogadores que entraram em rota de colisão com a torcida. Você acha que eles ainda têm clima para jogar no Flamengo?
Mozer: A desvalorização de alguns jogadores acontece por excessivo desconhecimento das funções que exercem em campo. Gostaríamos de utilizá-los ainda mais, mas somos impedidos por conta do trabalho negativo que fizeram contra o jogador A, B ou C. Isso cria um grande problema com a torcida quando os encontra em campo. Temos um jogador com uma capacidade enorme e os torcedores não compreendem. É o Márcio Araújo. O Gabriel também é um grande jogador, inteligentíssimo e dotado de uma capacidade técnica tremenda. Também temos dificuldades de colocá-lo para jogar. A torcida não gosta. Ele foi rotulado de não estar qualificado para atuar no Flamengo. A nossa opinião é outra. Márcio, Gabriel, Muralha e Vaz são nossos jogadores. Eles não são adversários da torcida. Deveriam ser apoiados e acarinhados para que rendam ainda mais. O elogio ajuda muito nessas horas. Todo jogador que milita no Flamengo merece respeito e apoio. Eles são ótimos de cabeça. O Gabriel está no clube desde 2013. É o mais antigo. Se não acreditássemos no potencial deles, obviamente que não estariam mais aqui.

UOL Esporte: Você opina nas contratações feitas pelo Flamengo?
Mozer: Todos da comissão técnica participam do processo de contratação. Treinador, preparador físico, auxiliar, Rodrigo Caetano, eu... Conversamos e chegamos ao denominador comum para trazer determinado atleta. Debatemos aqui na sala todos os aspectos. Mas quem decide é o técnico.

UOL Esporte: O Flamengo terá a chamada "barca" ao fim do ano? Já sabe quantos jogadores serão dispensados?
Mozer: Não trabalhamos assim. Se funcionasse desse jeito, o Flamengo continuaria devedor e com grandes problemas financeiros. Compreendemos tudo isso da caça às bruxas, mas as pessoas têm contratos. Tudo custa dinheiro. Mandar jogadores embora não pode ser financeiramente prejudicial e ainda precisamos preencher as necessidades de entrada e saída dos atletas. Tudo conta com uma engenharia para cumprir o que se promete aos jogadores. O Rueda já está analisando o elenco, tudo o que pode ser reajustado e depois discutiremos os assuntos contratuais para que o Flamengo não sofra. Essa filosofia precisa continuar.

UOL Esporte: O Flamengo será agressivo no mercado em busca de reforços para a próxima temporada?
Mozer: Tudo será feito de acordo com as necessidades solicitadas pelo Rueda, mas dentro das possibilidades financeiras do clube. Respeitamos isso fielmente para que o Flamengo cumpra todos os pagamentos. Só tenho a certeza de que seremos mais fortes a cada ano.

UOL Esporte: Ajuda ou atrapalha ter tanta gente decidindo sobre o futebol? Você já falou que todos participam do processo. Mas tem ainda o presidente Bandeira, o diretor geral Fred Luz e outros...
Mozer: Temos as pessoas certas. O Fred é o diretor geral. Nos exige resultados e comportamentos. Transmitimos o que fazemos para ele. Até o presente momento, o Fred está super confiante e satisfeito com o trabalho. É extremamente exigente com os resultados, mas compreende as dificuldades e amadurece constantemente o conhecimento. O Flamengo não milita no Campeonato Brasileiro sozinho. Temos adversários, todo mundo trabalha muito e quer vencer o Flamengo. É diferente ganhar do clube de maior torcida do país.

Gilvan de Souza/ Flamengo

Mozer ao lado do diretor geral Fred Luz, quando iniciou o trabalho no Flamengo
UOL Esporte: Até quando você fica no Flamengo? Tem contrato?
Mozer: Fico até quando o clube quiser. Não tenho contrato e sou um funcionário como outro qualquer. Estou à disposição enquanto entenderem que sou útil. Sou flamenguista e falo com brilho nos olhos sobre o trabalho que realizamos aqui. Farei muita força para que essa equipe de trabalho continue. Somos sérios e voltados ao melhor possível para o clube.

UOL Esporte: Não pretende mais ser técnico de futebol?
Mozer: Não voltei ao Brasil para isso, muito menos no Flamengo. A minha função é ser gerente de futebol.

UOL Esporte: Você trabalhou com o Mourinho [técnico do Manchester United] por um curto período no Benfica. Ele é um dos treinadores mais badalados do mundo. Aprendeu algo que utiliza no dia a dia do Flamengo?
Mozer: O que eu aprendi foi na Europa, não nos três meses com o Mourinho. Eu não serviria para estar no Flamengo se fosse só por isso. Vivi 30 anos lá, acompanhei as mudanças no futebol português e me aperfeiçoei nos mínimos detalhes. É exatamente o que procuro passar aqui no Flamengo.

UOL Esporte: Você chegou a trabalhar como empresário. Parou?
Mozer: Tentei no início, assim que parei de jogar bola, mas vi logo que não era o meu ramo [risos]. Em um mês já ficou claro que não dava para o negócio.

UOL Esporte: Você indicou o lateral-esquerdo Rodrigo Alvim ao Flamengo?
Mozer: Não indiquei.

UOL Esporte: Mas muita gente do clube colocou na sua conta. O jogador ainda acionou o Flamengo na Justiça. Pode explicar?
Mozer: Eu morava em Portugal e me fizeram uma pergunta sobre o que achava do jogador. Passei as caraterísticas e como funcionava lá. Não tive participação. Apenas respondi um questionamento que me foi feito. Naquela época, ele realmente estava jogando muito bem. Colocar isso na minha conta não existe. Qual é a culpa que tenho de ter respondido uma pergunta? Tenho culpa de os dirigentes da época não terem cumprido o que foi combinado? Não era chegado ao jogador.

UOL Esporte: Pretende aparecer mais a partir de agora?
Mozer: Não. Só quero fazer o meu trabalho. Rodrigo Caetano e eu temos trabalho de sobra aqui no Flamengo. Não falta coisa para resolver.

Fonte: Uol

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Clube da série A encaminha acerto com goleiro Muralha por duas temporadas.



O mercado da bola continua bastante movimentado no futebol brasileiro e algumas equipes já estão pensando e buscando reforços para próxima temporada. 


O goleiro Muralha, do Flamengo não vive uma boa fase no clube carioca e pode ser negociado ao final da temporada para outro clube da série A.


Segundo informações do Portal Fox Futebol, Muralha interessa a Ponte Preta que tenta o empréstimo do jogador por uma temporada. 

O empresário do jogador confirmou que Muralha tem propostas de outros clubes, mas que a intenção do goleiro é permanecer no Flamengo até o final do seu contrato. 

Muralha foi muito criticado pela torcida depois da final da Copa do Brasil e não conseguiu ajudar o Flamengo a conquistar o título. O presidente da Ponte Preta confirmou que as negociações estão avançadas e que devem ser concluídas ao final da temporada, Muralha chega para assumir a vaga do contestado goleiro Aranha.

Fonte: Sportv4

Revista põe Gabriel Jesus e joia do Flamengo entre os maiores prodígios do futebol Mundial, confira Top 12



A edição desta semana da revista France Football, publicada nesta segunda-feira, trouxe em sua capa uma lista de 12 prodígios do futebol com dois brasileiros: Gabriel Jesus, do Manchester City, e Vinícius Júnior, do Flamengo, que já foi negociado com o Real Madrid.


Além deles, aparecem titulares em grandes equipes do futebol europeu, como Marco Asensio, do Real Madrid, Mbappé, do Paris Saint-Germain, Sané, também do City, Dembélé, do Barcelona e Dele Alli, que atua pelo Tottenham. Completam a lista o goleiro Donnarumma, Mason Mount, Matthijs de Ligt, Viera e Romero.


A renomada semanal francesa, responsável pela premiação da Bola de Ouro, definiu estes jogadores como “a vanguarda do futebol”. Ela ainda frisa que os 12 são os “talentos mais promissores que têm tudo para dominar o amanhã”.

Mais consolidado no cenário futebolístico, Gabriel Jesus coleciona os títulos da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro pelo Palmeiras, é o atual camisa 9 da Seleção Brasileira e tem sido um dos destaques ofensivos do time de Pep Guardiola.

Já Vinícius Júnior, que só tem 17 anos, ainda busca um espaço entre os 11 titulares do Flamengo de Reinaldo Rueda. Apesar disso, o jovem atacante já está negociado com o Real Madrid e irá transferir-se ao clube espanhol em julho de 2018.

Fonte: Fox Sports

Site conhecido coloca Flamengo com apenas 2 títulos Brasileiros e 34 títulos para clubes de São Paulo utilizando critérios parciais, confira:



Durante décadas se discutiu o Campeonato Brasileiro por pontos corridos, até que em 2003, a CBF usou o bom senso, premiando o time que fazia a melhor campanha durante o ano, acabando com as chaves e mata-mata que muitas vezes favorecia apenas os times que jogavam por resultados ou que melhoravam apenas na reta final.


Veja abaixo quem foram os mais favorecidos, os prejudicados e algumas surpresas que deixará qualquer um boquiaberto.


Obs: a matéria será dividida, pois houve muitas mudanças durante esses mais de cinquenta anos de Campeonato Brasileiro.

Taça Brasil: 1959 – 1968: Nessa época o campeonato era mata-mata, perdia, vai para casa, o problema é que eram divididos por regiões, então as equipes do norte e nordeste se enfrentavam entre elas, e no outro chaveamento as do sul e sudeste se defrontavam, motivo que a semifinal era mais emocionante que a final, um exemplo: em 1960, Palmeiras e  Fluminense se encontraram na semi, houve um 0x0 em São Paulo, mas no Rio de Janeiro o Palmeiras venceu por 1×0, foi um jogo disputadíssimo. Na final, ao enfrentar o Fortaleza, o alviverde foi impiedoso, vencendo de 3×1 no Ceará e 8×2 no Pacaembu. Outros motivos que mudaram foi a forma de disputar, onde só disputavam os campeões regionais, então Corinthians e São Paulo nunca jogaram a Taça Brasil, já que ambos amargaram filas de títulos nessa época. Os campeões foram: Santos (5), Palmeiras (2), Cruzeiro, Botafogo e Bahia (1) cada, com exceção da equipe baiana, as demais não foram surpresas, pois eram os melhores times da época.

Roberto Gomes Pedrosa, Copa Brasil, Campeonato Nacional são os nomes que o campeonato já teve

Resumo 1967 – 1974: Ao ser inventada em 1967, a Roberto Gomes tinha o intuito de unir os maiores times do país, por isso, apenas os sete principais estados disputavam (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Pernambuco). No ano de 1971, quase todos os estados do país possuíam representantes, o que esse campeonatos tinham em comum era que todos jogavam contra.  

Veja quem venceu e quem venceria se fossem por pontos corridos:

Ano 1967: O Palmeiras foi o campeão, se fosse pontos corridos, seria o Corinthians, o time do parque São Jorge, não ganhava título fazia tempo, foi derrotado por 1×0 para o rival no Morumbi e viu o alviverde comemorar. Em 1968 o campeão foi o Santos, quem merecia era o Palmeiras, que perdeu de 3×0 para o alvinegro praiano. Em 1969 novamente o título deveria ficar para o Corinthians, mas o Palmeiras quem levou. No ano de 1970 durante a disputa, o Cruzeiro de Dirceu Lopes foi levantado como o favorito, mas o Palmeiras fez a melhor campanha, no entanto no quadrangular final, Fluminense foi campeão.

Ano 1971: Atlético-MG jogava bem, mas para os críticos eles não tinham um grande time, e contava com a irreverência de Dadá Maravilha, o galo mineiro acabou campeão, mas quem mais pontuou na primeira fase foi o Corinthians, que merecia o título. Em 1972, Palmeiras entrou como favorito, foi o campeão e foi quem mais obteve pontos. Em 1973, Botafogo de Marinho Chagas era a sensação, mas o Palmeiras novamente foi o que mais teve ponto, as duas vezes foi campeão com mérito, e contava com o ídolo Ademir da Guia. No ano de 1974 o Vitória-BA chegou a chamar a atenção, com Mário Sérgio no ataque, mas o Grêmio foi o que mais pontuou, porém, o título ficou para o Vasco.

Campeonato Brasileiro e Taça de Ouro

Resumo de 1975 – 1986: Nos anos de 1980, o campeonato passou ser chamado Taça de Ouro, para o povo não reclamar de injustiça com relação ao time que mais fez pontos, resolveram fazer chaves, com isso, nem todos se enfrentavam, então imaginar quem seria campeão por pontos corridos passou a ser mais difícil, mas os críticos começaram a somar a fase de grupos e levantar os possíveis campeões. Alguns times somaram mais pontos, pois continuavam somando no mata mata, mas o que vale aqui é a fase de grupos.

No ano de 1975, o Internacional, atual heptacampeão gaúcho, entrava como favorito, durante o campeonato jogava como vencedor, alguns achavam que o Cruzeiro na final poderia ofuscar o Inter, pois, os mineiros tinham um grande time, mas merecidamente o Internacional foi vencedor, pois foi o que mais acumulou pontos. Em 1976, Fluminense e Internacional entraram como favoritos, durante a disputa o Inter jogou melhor, chegou à final, e mais uma vez por méritos levou o troféu para casa, sendo novamente o que mais somou, alguns especialistas, acham que se fosse pontos corridos o Fluminense bicampeão carioca levaria, mas isso não tem como saber. No ano de 1977, ocorreu injustiça grande, o Atlético-MG foi vice-invicto, era o favorito, jogou bem a competição, teve Reinado como artilheiro, foi o que mais obteve pontos, porém, perdeu a final para o São Paulo que contava com a experiência de Rubens Minelli como técnico (ele havia vencido pelo Internacional em 1975/1976), mas até para os são paulinos, se fosse por pontos corridos, aquele time não ganhava. Chegamos em 1978, ano que Guarani foi campeão, o Internacional de Falcão era o favorito, na soma total de pontos foi o que mais acumulou, entretanto, se juntarmos a primeira e segunda fase, o campeão seria o Santa Cruz de Recife. Em 1979 o Internacional foi o que mais fez pontos e acabou campeão, todavia, se pegarmos as duas primeiras fases, o Flamengo seria o campeão, e ainda nesse ano o Palmeiras foi levantado como favorito.

Em 1980, o atual campeão Internacional foi levantado como favorito, porém, o Atlético Mineiro dominou de ponta a ponta, merecia muito o título, mas foi prejudicado pelo regulamento e pelo apito, o Flamengo foi o campeão brasileiro. Agora em 1981 se somarmos até as quartas, o Vasco foi o que mais pontuou, mas nas duas fases de grupo o campeão seria o Santos, a final foi entre Grêmio e São Paulo, o time paulista era o favorito, entretanto, perdeu as duas partidas para os gaúchos, e só para lembrar, mesmo assim o São Paulo vice-campeão teve mais pontos que o Grêmio campeão. No ano de 1982, o Flamengo provou ser um super time, pois, foi campeão mundial no final de 1981, entrou absolutamente como favorito, na soma geral de pontos foi o que mais pontuou, mas nas duas fases, o Guarani seria o campeão, o time de Campinas teve um dos ataques mais poderosos da história da competição, com Jorge Mendonça e Careca. Agora em 1983, durante o campeonato, Santos era o que mais chamava atenção, o Atlético-MG foi o que mais somou pontos. Nas fase de grupos Palmeiras e São Paulo, foram os que mais somaram, porém, como o time do Morumbi chegou mais longe, vamos considerar o São Paulo como o merecedor do título, quem acabou campeão foi o Flamengo que derrotou o Santos (que mesmo assim, terminou com mais pontos que o Flamengo).

Chegamos em 1984, durante a competição o Vasco foi apontado favorito com seu ataque poderoso, que contava com Roberto Dinamite. Fluminense foi o que mais somou e acabou  sendo campeão, mas nas fases de grupos, o Santos seria o vencedor, alguns acham que se fosse pontos corridos o Corinthians bi campeão paulista com Sócrates e Casagrande poderia levar, não se esquecendo do Grêmio que entrou como um dos prováveis campeões.

Agora em 1985, foi bagunça demais, inventaram campeão do primeiro e do segundo turno, por isso a equipe do Coritiba que ficou abaixo de vários times, se classificou somente porque jogou bem o segundo turno, graças inteligência do técnico Ênio Andrade (campeão em 1979 pelo Inter e, 1981 pelo Grêmio), o time que mais somou foi o Sport, porém a equipe pernambucana veio de um grupo mais fraco, o Bangu foi o que mais chamava atenção, e o Bahia foi o melhor time no grupo dos grandes. Na final, o Coritiba venceu a competição contra o Bangu, o time carioca tinha 17 pontos a mais que o time do Paraná, lembrando que na classificação geral, o Coritiba ficaria em sétimo, o alviverde com certeza não seria campeão se fosse pontos corridos. Em 1986 o São Paulo que acabou campeão era super candidato (para alguns, foi o melhor São Paulo da história), tinha um time de estrelas como: Careca, Muller e Silas, na classificação geral o Guarani seria o campeão, por ter mais pontos.

Copa União, João Havelange e Campeonato Brasileiro

Os times grandes se unem, exigem um campeonato mais forte, onde todos se enfrentam com primeira e segunda divisão, se desvinculando de vez do campeonato regional (que dava classificação ao campeonato brasileiro), mas claro, nada foi fácil no começo e a injustiça passa ser mais visível novamente.

No ano de 1987, o campeonato nacional é repleto de clássicos, entretanto, até hoje se discute a palhaçada, quem foi campeão, Sport ou Flamengo? O que eu sei, que se o campeonato fosse por pontos corridos, o Atlético/MG seria campeão com folga, no primeiro turno o Internacional, que terminou como vice da competição, fez uma campanha grandiosa, mas caiu muito no segundo turno, o galo mineiro dominou de ponta a ponta, perdendo a semifinal para o Flamengo.

No ano de 1988 o Vasco disparou, mas também não foi o campeão, durante a competição o Internacional jogava um bonito futebol com o artilheiro Nilson, porém, o Bahia do técnico Evaristo Macedo ficou com a taça, tendo menos pontos que o Internacional, o Bahia que tinha um futebol de raça, também não tinha time para os pontos corridos.

No ano de 1989 o São Paulo campeão paulista era o franco favorito, e o Vasco foi o que mais somou, na final derrotou o time paulista na casa do adversário, e merecidamente foi campeão.

Chegamos em 1990, onde o Bragantino foi o time que mais atraia atenção, mas o Grêmio merecia o título pela pontuação, o Corinthians que terminou em sétimo, foi o campeão, o alvinegro paulista jogou muito nas últimas rodadas, comandado por Neto, mas não tinha time, caso fosse pontos corridos.

Em 1991, novamente o Bragantino vira sensação com Mauro Silva, mas o São Paulo é o time de melhor campanha,e com méritos foi o campeão. Outro campeonato agitado foi o de 1992, onde o Vasco foi o que mais somou pontos, teria que ser o campeão. Na segunda fase, o Bragantino foi o que mais pontuou,porém o campeão foi o Flamengo, que apesar de ter jogado muito na segunda fase e na final, a equipe rubra negra que era comandada pelo veterano Júnior, não tinha condições caso o campeonato fosse por pontos corridos.

Em 1993, as palhaçadas voltaram, assim como em 1985 e 1987, novamente juntaram a primeira e segunda divisão, então foram feitas quatro chaves, o Corinthians foi o que mais pontuou na primeira fase, na segunda foi o Palmeiras, na classificação geral, o alviverde paulista que era favorito, foi o que mais somou, chegou à final, e foi o campeão brasileiro.

Em 1994 o campeonato continuava com chaves, o Palmeiras entrou como favorito, fez a melhor campanha e foi campeão no time contava com Evair e Edmundo. No ano de 1995, Santos empolgava a todos com seu futebol ofensivo, mas o Botafogo foi o que mais pontuou e terminou campeão.

Muita polêmica em 1996, o motivo foi que as quatro melhores equipes foram eliminadas nas quartas (Cruzeiro, Guarani, Palmeiras e Atlético/PR), a semifinal foi disputada entre o quinto e oitavo colocado (Atlético/MG, Grêmio, Goiás e Portuguesa), por mérito o Cruzeiro merecia ser o campeão, porém, o Grêmio que entrou como favorito, acabou campeão, o time gaúcho terminou em sexto na classificação geral.

No ano de 1997, não houve problemas, o Vasco era o melhor, foi o que mais somou e merecidamente foi o campeão, o vice foi o Palmeiras que na classificação geral ficou em oitavo.  A mesma coisa aconteceu em 1998, Corinthians foi o melhor time, muitos achavam que na final poderia dar Cruzeiro, perante o crescimento do time mineiro, mas de forma justa o título ficou para o Corinthian. Não foi diferente em 1999, Corinthians ficou na liderança por toda a competição, a final contra o Atlético-MG foi questionada, pois, o time de Minas era muito ofensivo, entretanto, o Corinthians venceu.

Não preciso falar que em 2000 foi o festival de palhaçadas, onde as três divisões foram juntadas, Cruzeiro fez a melhor campanha, nas oitavas o São Caetano, que veio de uma divisão abaixo, deu show, e o título ficou para o Vasco, que era um dos favoritos. Em 2001 o time do ABC, São Caetano, fez uma campanha de campeão, merecia o título, mas perdeu para o Atlético-PR que ficou em segundo lugar na classificação geral.

Finalizando em 2002, último ano, antes da época dos pontos corridos, o São Paulo tinha um time fabuloso, com Kaká e Luis Fabiano, nunca perderia se fosse pontos corridos, mas foi eliminado pelo Santos nas oitavas, que acabou o campeão, o time da Vila Belmiro ficou em oitavo lugar na classificação geral.

Como vimos, foram mais de quarenta anos com muitas injustiças, os mais jovens desacreditam de como era ridículo os campeonatos dos anos de 1970, onde em 1979 tivemos a participação de 94 times, pior que hoje, ainda há quem é favor da volta das quartas de final.

Veja abaixo, como seria se desde o começo fosse pontos corridos.
Ps: entre parênteses, o número de título de cada time:

Palmeiras (9)
Santos e Corinthians (8) cada um;
Cruzeiro e São Paulo (6) cada um;
Vasco (4)
Atlético/MG (3)
Botafogo, Grêmio, Internacional, Flamengo, Bahia, Guarani e Fluminense (2) cada um;
Santa Cruz e São Caetano (1) cada um.
Obs²: Isso tudo é uma dedução minha, alguns campeonatos seria realmente o que está escrito acima, mas, outros como eu disse, são difíceis de adivinhar, pois, eram eliminatórios, onde muitos times grandes não se cruzavam.

Fonte: Torcedores.com (Adriano Coelho)

Emocionado, Ryan Giggs relembra time 'imbatível' do Liverpool e quando torceu para o Flamengo no Mundial de 1981



A maior partida da história do Flamengo.



O jogo da vida de todos os rubro-negros.

Este foi o Flamengo x Liverpool, de 13 de dezembro de 1981. Campeão da Taça Libertadores da América, batendo o Cobreloa na final, a equipe brasileira entrava em campo para eliminar o estigma de que não era apenas "time de Maracanã", visto que seus principais títulos até aquela época foram conquistados no "Maior do Mundo" (lembrando que apenas 20 dias antes o clube havia derrotado o Cobreloa em Montevidéu, conquistando o título continental de 1981).

As épocas douradas dos dois times iniciaram juntas, em 1978, ano que a equipe inglesa venceu a Liga dos Campeões da UEFA, dando início a uma seqüência de conquistas de dois campeonatos ingleses (1979/1980) e o título europeu de 1981. Enquanto isso, o clube brasileiro vencia o tricampeonato carioca (1978/1979/1979 especial), o Campeonato Brasileiro de 1980, o Campeonato Carioca 1981, além do título deste mesmo ano.

O Liverpool era o grande favorito por ser o maior time da época. O time inglês superava Bayern de Munique e Real Madrid nas duas últimas fases - semifinais e final, respectivamente - da Copa dos Campeões da UEFA. Mas, essa fama dos ingleses e seu ar arrogante de superioridade seriam fatais para eles.



Os 62.000 torcedores que compareceram ao Estádio Nacional de Tóquio, não viram um show dos vermelhos, mas sim, do vermelho e preto, que trajava sua camisa branca na decisão. Viram um show de Zico, inspiradíssimo. Viram um show do futebol brasileiro. Um show que garantiu o título para o Fla ainda no primeiro tempo, com um indiscutível 3x0, para acabar com as dúvidas de quem era o melhor. Não apenas naquela partida, mas o melhor do mundo. E era o Flamengo. 

Fonte: 90 min

Graças a CBF, Clássico contra o Vasco dá ao Flamengo maior prejuízo com o Maracanã no ano



O Flamengo teve seu maior prejuízo em jogos no Maracanã no clássico diante do Vasco, no último sábado.



De acordo com o boletim financeiro da partida recebido pelo clube, o déficit foi de R$ 346.795,58.

Inicialmente, o jogo estava previsto para acontecer na Ilha do Urubu, mas por medida de seguranças após recomendação da Polícia, a CBF optou por transferir de local.

Com pouco mais de 24 mil pagantes no Maracanã, a renda bruta foi considerada baixa, com R$739.775. Os maiores custos pagos pelo clube para atuar no estádio são de aluguel, que soma R$400 mil contando as contas de consumo. Isso sem contar os gastos envolvidos em infraestrutura e questões operacionais. 

A informação do boletim financeiro foi publicada primeiramente pelo ''Correio Braziliense'', antes de a CBF divulgar oficialmente.

Em 2017, o Flamengo atuou 15 vezes no Maracanã. Amargou prejuízo financeiro em outras três ocasiões. Pela Taça Rio, diante do Vasco, o saldo devedor foi de R$420.366,94, mas o valor é dividido entre os clubes por norma da competição - e, neste jogo, o mando e a operação eram do Cruz-Maltino.

Na semifinal do Campeonato Carioca, diante do Botafogo, o déficit foi de 287.564,34 (também dividido entre os dois clubes). Diante do Atlético-GO, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, o prejuízo foi de -326.592,72.

Jogos com prejuízo na Ilha com déficit menores
O clube havia mostrado descontentamento com a decisão da CBF de transferir o jogo para o Maracanã. Em 2017, o Flamengo investiu cerca de R$12 milhões para reformar o Luso-Brasileiro e transformar a Ilha do Urubu em sua casa por pelo menos seis anos. Mesmo assim, não jogou e nem jogará nenhum clássico em 2017 no estádio inaugurado em junho.

Em comparação, um jogo de renda similar ao do Maracanã na Ilha do Urubu, costuma dar lucro de cerca de R$250 mil para o clube. O clube também teve prejuízo em seu estádio com jogos de público pequeno. No entanto, as cifras são menores do que as do Maracanã: o maior foi no jogo diante do Palestino (CHI), com R$146.129,49

Fonte GE

Tite avalia a convocação de Vinicius Júnior, do Flamengo



O técnico da Seleção Brasileira, Tite, vem estudando a possibilidade de chamar Vinicius Júnior para participar de alguns amistosos preparatórios para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.


A ideia seria contar com o jogador como reserva de Gabriel Jesus, segundo informa o jornal "Marca", da Espanha.

O comandante não chegou a comentar a possibilidade, mas criticou recentemente o comando do Futebol do Flamengo por não liberá-lo para o Mundial Sub-17 (veja aqui).

Atualmente, o substituto imediato do atacante do Manchester City na Seleção é Roberto Firmino, do Liverpool, mas que não vive boa fase.

O principal fator que fará Vinicius Júnior ganhar uma chance na Seleção principal será suas próximas aparições com a camisa do Flamengo. Sem Berrio, o atacante deve ganhar sua primeira sequência de jogos no time de Reinaldo Rueda.

Fonte: FlaResenha.com

“Eu tenho um pé atrás com o Renato Augusto”, diz comentarista



Renato Augusto, aproveitamento dos meninos da base e sequencia de partidas de Juan. Esses foram os temas do programa de ontem.


No Resenha Ao Vivo, que agora é todos os dias às 21 horas, houve o debate entre os comentaristas Ricardo Perrotta (@ricardoperrotta), Rodrigo Ferreira (@DrikoFerreira1) e Nick Marques (@GarodoBohr) sobre uma possível contratação de Renato Augusto. Segundo Rodrigo Ferreira, ele tem um pé atrás com o jogador, mas não por causa do seu futebol.


– Eu tenho um pé atrás em relação ao Renato Augusto, mas não tem nada haver com o futebol. Quando ele assinou com o Corinthians e ele já explicou várias vezes que se ofereceu duas vezes ao Flamengo que não o quis, inclusive uma nessa gestão EBM. 

Quando ele estava no Corinthians, acho que numa entrevista para ESPN, teve uma que não me caiu legal. Aquilo ali não era uma entrevista de um Rubro-Negro. Jogador de futebol, eu acho que analisa muito o momento. 

Por isso eu admiro muito o Elias. O Elias estava aqui no Flamengo, ele deu uma declaração recente que não comemora gol contra o Flamengo por tudo que a torcida fez pelo filho dele, mas ele bate na tecla que nunca perdeu a identificação com o Corinthians. Quando ele estava no Sporting Cristal, ele foi na final da Libertadores vê o Corinthians. Eu acho que o Renato Augusto deu algumas declarações infelizes em relação a torcida e tudo mais que acho que não parte de um cara criado desde pequeno dentro do Flamengo. Essa é a minha única questão contra o Renato Augusto.

Fonte: Coluna do Flamengo

Desempenho ruim de Paquetá e Vizeu aumenta necessidade de Guerrero no Flamengo



Os desempenhos recentes de Lucas Paquetá e Felipe Vizeu não deixam dúvidas: o Flamengo precisa de Guerrero para conseguir ter um bom fim de temporada.


O atacante peruano está fora de ação há três partidas e o time da Gávea ainda sonha em escalá-lo no clássico de quarta-feira, contra o Fluminense. Em jogo estará uma vaga à semifinal da Copa Sul-Americana.

O jogador tem tratado das dores musculares em tempo integral para disputar o clássico. Sábado, postou foto assistindo ao clássico contra o Vasco com um aparelho que trata de lesões musculares na perna esquerda. Domingo o dia foi de folga para todos, menos para o atacante, que seguiu a rotina de tratamento.

- Guerrero tem trabalhado com o departamento médico e segue o processo de reabilitação. Esperamos a resposta do departamento médico, se ele entrará no trabalho de transição, se poderemos contar com ele ou esperar mais - explicou Rueda, logo depois da partida de sábado, contra o Vasco.

Nesta segunda-feira ele será reavaliado pelos médicos rubro-negros. As chances são remotas, mas se for liberado para treinar com bola, pode ser a novidade no jogo do meio de semana. Com a imprensa peruana noticiando que o atacante deve ser poupado e atuar pelo Flamengo somente depois dos jogos do Peru pela repescagem da Copa do Mundo, a pressão para ele atuar no Maracanã aumentou.

Contra o Vasco, o desempenho ruim do ataque foi preponderante para o empate em 0 a 0 no Maracanã. Paquetá teve atuação apagada e Felipe Vizeu, que entrou no seu lugar, perdeu duas cabeçadas, a primeira, em ótima condição para marcar.

Com Guerrero, o Flamengo ganha mais força ofensiva. Mesmo longe de ser um artilheiro nato, é o maior goleador do time na temporada. São 20 gols em 44 partidas. Para se ter uma ideia da dependência, o segundo atacante do elenco com mais gols é Berrío, com seis. Um detalhe: o colombiano, com grave lesão no joelho direito, só deve voltar a jogar no segundo semestre de 2018.

Fonte: Extra

domingo, 29 de outubro de 2017

7 Atacantes que o Flamengo poderia contratar para 2018



O futebol brasileiro está chegando ao fim de mais uma temporada, com isso, alguns times já começam a montar seu elenco para 2018.


O Flamengo, por exemplo, tem uma carência de centro-avante em seu elenco e pode ficar pior, já que Guerrero tem contrato com o clube em agosto do ano que vem e ainda não definiu sua renovação de contrato.

Além do peruano, o Fla conta com jovens apostas para o ataque como Paquetá e Felipe Vizeu. Pensando nisso, o Torcedores.com listou 7 nomes para o Mengão ficar de olho no mercado.

1 – Lucas Barríos

Após uma fase ruim no Palmeiras, Barríos reencontrou seu bom futebol no Grêmio. Seu contrato com o time Gaúcho vence no final do ano e já pode assinar um pré-contrato com qualquer outra equipe. No ano, o paraguaio tem 18 gols marcados em 39 partidas disputadas. Seria mais uma gringo no elenco do Fla.

2 – Ricardo Oliveira

Após anos decidindo a favor do Santos, o experiente atacante de 37 anos teve um ano de 2017 para se esquecer, com lesões e problemas de saúde como caxumba, só recentemente, o jogador voltou a ser decisivo, o que pode ser tarde demais para a renovação com o Peixe. Apesar de experiente, o nome cairia muito bem no Flamengo.

3 – Gilberto

Apesar de uma passagem apagada pelo Vasco da Gama. O atacante do São Paulo começou muito bem o ano no Tricolor com Rogério Ceni como técnico, marcou 12 gols no ano e é um dos artilheiros do time na temporada. O centro-avante não vai permanecer no Morumbi e surge com mais um bom nome no mercado.

4 – André-Pierre Gignac

Essa semana, o nome do jogador francês, que atualmente está no Tigres-MEX surgiu como possível alvo do Flamengo à pedido de torcedores do clube. Os rumores aumentaram após o jogador começar a seguir o time no Instagram.

5 – Marcelo Moreno

O atacante boliviano é artilheiro da China League One, segundo divisão do futebol chinês, com 22 gols marcados pelo Wuhan Zall. Tem portas abertas no futebol brasileiro, devido a boas passagens pelo Cruzeiro, equipe que busca sua contratação também para o próximo ano. O contrato do atacante com o clube chinês se encerra em dezembro de 2018.

6 – Diego Tardelli

O atacante já passou pelo Flamengo, em 2008, quando ainda era jovem e não tinha uma cabeça voltada totalmente para o futebol. Hoje, mais experiente o jogador pode ser o centro-avante que o time precisa. Tardelli está no Shandong Luneng da China e é um dos nomes observados por Tite para ir a Copa do Mundo, uma vinda para o Brasil seria uma boa vitrine.

7 – Alexandre Pato

Outro atacante que está no futebol chinês (Tianjin Quanjian). Teve uma passagem ruim pelo Corinthians, outro time de massa do futebol nacional,  mas recuperou seu bom futebol no São Paulo. Pato não é aquele jogador vibrante e de raça, pelo contrário, é muito técnico, talvez esse fator não agrade boa parte da torcida rubro-negra, mas não pode ser um nome descartado no mercado.

Fonte: Torcedores.com

Flamengo tem 13 atletas especulados para 2018, confira a relação:



Como de praxe nos finais de temporadas, muitos jogadores são especulados no Mengão. Você lembra de todos? 


Veja abaixo um compilado.


Darío Aimar: Com 22 anos de idade e medindo 1,83 cm, o zagueiro participou da Copa Libertadores pelo Barcelona de Guayaquil.

Pablo: O jogador está no Corinthians, atuando por empréstimo do Bordeax-FRA (válido até dezembro). Tem 26 anos de idade e é um dos principais jogadores do sistema defensivo do clube paulista.

Yimmi Chará: O colombiano, destro e de 1,65m de altura, tem como posição de origem a ponta direita, mas pode jogar também pelo lado esquerdo e como segundo atacante. O jogador de 26 anos tem contrato com o Junior Barranquila até 2020.

Miranda: O defensor de 33 anos não deve continuar na Itália na próxima temporada. Mirando é cotado para estar na Copa do Mundo de 2018 na Rússia e é um dos “homens-forte” de Tite.

Souza: Aos 28 anos, o volante iniciou a terceira temporada com a camisa do Fenerbahçe, da Turquia.

Rafinha: O experiente lateral direito Rafinha, de 32 anos, está no Bayern de Munique desde 2011 foi um dos especulados pela imprensa. Em entrevistas, disse que seria um prazer jogar no Flamengo.

Diego Tardelli: Tardelli é um velho conhecido da torcida rubro-negra. O centroavante de 32 anos de idade já manifestou desejo de jogar no Flamengo.

Gignac: O goleador francês defende atualmente o Tigres-MEX, sendo a principal referência ofensiva da equipe e, pela seleção de seu país, disputou a Eurocopa de 2016. Gignac tem 31 anos de idade.

Marcelo Boeck: O arqueiro tem 32 anos de idade e é ídolo do Fortaleza. Boeck foi uma das principais peças para o acesso do clube nordestino. No meio deste mês, renovou seu contrato até 2020.

Ricardo Goulart: Goulart foi companheiro de Everton Ribeiro no Cruzeiro e atualmente está na China. Tem 26 anos de idade e seu contrato vai até janeiro de 2019.

Matheus Galdezani: É destaque do Coritiba. Em seu time, é chamado pelos torcedores de “GalZidane”. Pertence ao Mirassol-SP e teve 50% dos seus direitos econômicos comprados em junho, por R$3,5 mi, assinando contrato até 2020. Tem 25 anos.

Renato Augusto: Formado no Flamengo, Renato Augusto tem 29 anos de idade. O meia é constantemente convocado por Tite, que o considera um de seus “homens de confiança” para Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Thiago Maia: O volante criado no Santos se destacou tanto pela equipe paulista quanto pela Seleção Brasileira que conquistou medalha de ouro no Rio de Janeiro, sendo vendido ao Lille-FRA por 14 milhões de euros (R$51 mi). Thiago tem 20 anos e não se adaptou à França.

Fonte: Coluna do Flamengo

"Guerrero não está comprometido com Flamengo", diz comentarista da Fox



No programa da Fox Sports, apresentando pelo Benjamin, o comentarista Fábio Azevedo destacou o momento de Paolo Guerrero, prestes a disputar a repescagem das Eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia contra a Nova Zelândia no início de dezembro., Leandro Quesada também expôs sua opinião sobre a situação.


O comentarista fez questão de ressaltar que Paolo Guerrero não está comprometido com o Flamengo, e que está evidente a prioridade de se poupar para o duelo histórico da Seleção Peruana que não disputa uma Copa do Mundo desde 1982.


Guerrero foi o autor do gol de falta que decretou o empate com a Colômbia que permitiu a Seleção Peruana sonhar com a Copa do Mundo e é o principal jogador e artilheiro do país.

Veja no vídeo abaixo:
Fonte: http://flamengo-noticia.blogspot.com.br/

Renovar? 4 Jogadores do Flamengo encerrarão contrato até o final do ano, confira:



O Brasileirão, e o ano, estão chegando na sua reta final e com isso alguns clubes já começam a se preparar para 2018.


Devido a isso, confira quais são os jogadores do Flamengo que estão em fim de contrato.

Muitos clubes preferem contratar jogadores que estejam no final de seu contrato, assinando apenas um pré-contrato com a equipe e vindo de graça no final da temporada. Pensando nisso, o Torcedores.com separou quatro jogadores da equipe do Flamengo que estão em fim de contrato e que, no caso, já podem assinar um pré-contrato com qualquer equipe. Confira:

ZAGUEIRO | Juan: O zagueiro xerife de 38 anos poderá dar adeus a equipe do Flamengo. Com passagens pela seleção brasileira e revelado no próprio Flamengo, o contrato de Juan acaba no fim desse ano. Contando com sua primeira passagem, Juan tem 307 jogos e 31 gols marcados.

LATERAL | Léo: O lateral está emprestado a equipe do Coritiba até o final do ano, e provavelmente ele voltará no início de 2018 a equipe do Flamengo.

MEIAS | Ederson: O meia que teve um tumor no testículo nesse ano, provavelmente terá seu contrato renovado com a equipe do Flamengo. Ederson soma 39 jogos e 4 gols marcados com a camisa rubro-negra.

VOLANTE - Márcio Araújo: Contestado pela torcida, o meia deverá ter seu contrato renovado automaticamente por mais um ano. Márcio Araújo tem 203 partidas e 3 gols pela equipe.

Fonte: Torcedores.com

Thiago Neves perde em primeira instância ação contra o Fla



O jogador, que atualmente está no Cruzeiro, cobra pagamentos que considera devidos por direito de arena em sua passagem pelo clube, em 2011.


Na última quarta-feira, a juíza Camila Leal Lima, da 66ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, julgou improcedente o pleito do jogador. Ele requer, no processo, que o Flamengo pague integralmente a cota de 20% de direito de arena em seu contrato de trabalho, percentual que por conta de acordo coletivo com o Sindicato dos Atletas, foi reduzido para 5%.


O Mais Querido considera que nada deve ao jogador, já que quitou todos os pagamentos quando o percentual era de 20% e também quando foi reduzido para 5%. O atleta, contudo, cobra a diferença de 15% entre os valores. Apesar da derrota em primeira instância, Thiago Neves ainda pode recorrer. O departamento jurídico do Flamengo explicou:

— Quando Thiago Neves chegou ao clube, o contrato previa 20% de direito de arena. Mas, poucos meses depois, após acordo coletivo (sindicato dos atletas) homologado em juizo, houve redução para 5% no contrato. Thiago Neves entrou na Justiça pedindo pra que fossem pagos a ele os 15% de diferença sobre todo o período pós-redução.

Fonte: Coluna do Flamengo

PVC: “Quase tudo piorou no Flamengo pós Zé Ricardo”, os números não mentem...



Só a defesa do Flamengo tem índices melhores com Reinaldo Rueda do que tinha com Zé Ricardo.



O empate por 0 x 0 com o Vasco confirma a tese. Sonolento, o time não sofreu gol. Também não marcou.
Até a saída de Zé Ricardo, em agosto, o Flamengo disputou 50 partidas em 2017, com 27 vitórias, 15 empates e 8 derrotas. Marcou 92 gols e sofreu 43. Com Rueda, o Flamengo fez 19 partidas, com oito vitórias, oito empates e três derrotas. Marcou 21 gols, sofreu dez

À parte o absurdo — o Flamengo já fez 70 partidas no ano e pode chegar a 82!!! — os números de Zé Ricardo são melhores em quase tudo.

Com Zé Ricardo, o Flamengo ganhava 54% das partidas. Com Rueda, 42%.

Com Zé Ricardo, empatava 30% das vezes. Agora empata mais: 42%.

Com Zé Ricardo, o Flamengo perdia 16% dos jogos. Com Rueda, 15%.

Com Zé Ricardo, o time marcava 1,84 gol por partida. Com Rueda, 1.10.

Com Rueda, o time sofre 0,52 por partida. Com Zé Ricardo, 0,86.

A culpa não é de Rueda, óbvio.

Os números só indicam como a pressão atrapalha. Não se trata da falta de atualização dos técnicos brasileiros. O treinador campeão da última Libertadores sofre no Brasil, pela falta de tempo para treinar.

Tem de continuar.

O ponto é que não existe milagre. Técnico não tem varinha de condão. O ideal é ter um ano inteiro de trabalho, avaliar o que houve, continuar ou demitir. É o que deve acontecer com Rueda em 2018.

Fonte: Blog do PVC | Uol