domingo, 26 de fevereiro de 2017

Botafogo tenta provocar Flamengo mas passa vergonha. Relembre!



O pequeno público presente na partida entre Flamengo e Vasco, em Volta Redonda, virou motivo de provocação por parte do Botafogo, neste domingo.


O time postou uma foto do estádio Nilton Santos em seu perfil no Instagram com a seguinte legenda: "Bom dia para quem tem estádio e coloca grandes públicos em jogos decisivos!".

No último sábado, a partida entre Flamengo e Vasco atraiu 6.979 pessoas, sendo 5.484 pagantes, público bem modesto para o "Clássico dos Milhões".

Além disso, a provocação também foi relacionada ao fato de o time rubro-negro, mandante do confronto com o Vasco, ter levado o jogo em Volta Redonda após não conseguir outro palco para receber o clássico. A Polícia Militar do Rio de Janeiro vetou o Engenhão alegando problemas no efetivo da corporação para fazer a segurança do clássico com torcida mista.

Juiz de Fora, primeira opção antes de Volta Redonda, recusou receber o jogo por conta do carnaval na cidade e a preocupação com a segurança.

A postagem do Botafogo, no entanto, gerou reações dos torcedores no Instagram. "Aproveitem que viram ele lotado pq isso é raro", escreveu um deles.

Fonte: Espn

Nossa imprensa é “marrom”?... (Toninho Bolado)



A imprensa “marrom,” surgiu para definir um tipo de jornalismo, apenas para arrebatar o público.


Na minha concepção, a nossa imprensa não é marrom, é partidária e manipuladora. Ela não tem interesse em arrebatar o público, ela tem interesse em destruir o seu adversário, que para ela é considerado inimigo. Seja na política, seja na religião, seja no futebol, ela está sempre disposta a inventar mentiras para seus inimigos e ocultar deslizes de seus protegidos.

Se nossa imprensa quisesse mesmo arrebatar o público, é óbvio que ela teria de torcer para que as coisas se dessem satisfatoriamente para o Flamengo, pois afinal, é o time de maior torcida do país. Talvez aí esteja o ponto x, a final, ela não gosta de nada que lembre massa, povão.

Acontece que eu li no blog do Flamengo Noticias, que a torcida do Flamengo faz apelo para que o Galvão narre os jogos do Flamengo, porque não aguenta mais a narração dos tricolores “Luizes.”

A que ponto nós chegamos, logo o Galvão que o povão pedia para que calasse a boca, consegue ser melhor do que os outros... Bem amigos da rede Globo... Plim, plim...

Fonte: Por Toninho Bolado - http://blogurububolado.blogspot.com.br/

Flamengo rasga fantasia de Eurico Miranda



E o Flamengo acabou com as fantasias euriquianas tolas e pessimamente mal-acabadas. Com o fim da “supremacia” recente de um time que freqüenta ano-sim-ano-não as regiões pouco nobres na hierarquia do futebol tupiniquim, como bem observa um meme que anda circulando nas redes, agora é esperar o estádio deles estrear jogando bola no Carioqueta.


Tudo bem que dadas as diferenças gritantes de qualidade de elenco e de infraestrutura do Departamento de Futebol, teve muito rubro-negro pré-comemorando nas redes na base do “menos de três eu nem comemoro”.

Tudo bem também que enquanto não jogarmos contra a Seleção Alemã, a turma desconfiada e ranzinza do “ainda não enfrentamos um grande teste” vai continuar arrastando suas correntes por aí. Mas contra fatos não há argumentos, o Flamengo foi mesmo superior, ainda que não de forma esmagadora,  e faturou a vaga na Final com sobras. Tanto que até a entrevista do Rodrigo após o jogo, porta-voz maior em campo da defesa da instituição cruzmaltina, teve tom conformado e sem atribuir a derrota a nenhuma injustiça.

Muralha nem trabalhou muito, apesar da cada vez maior consistência do Réver andar contrastando bastante com um ou outro deslize do Vaz. Diego sobrou em comparação ao Nenê (http://globoesporte.globo.com/rj/futebol/campeonato-carioca/noticia/2017/02/em-duelo-de-craques-diego-finaliza-cruza-e-passa-mais-que-nene.html), Guerrero não fez gol, mas trabalhou bastante lá na frente e o Rômulo quase marca um gol todo trabalhado na sagacidade e talento do futevôlei. Tudo ok. Acho que não há nenhuma atuação dos nossos atletas que mereça ser criticada. Até o Gabriel apresentou aquele futebol assim-assim de sempre, mas entrou com bastante disposição e com estado de espírito compatível com o Clássico em questão.

Agora vem o fluminenCe. Com 100% de aproveitamento na primeira fase, tendo atropelado o Vasco no único clássico disputado até agora pelo Tricolor das Laranjeiras, passou certo sufoco para empatar em zero a zero com o Madureira e garantir a vaga na Final. Não vi nenhum jogo deles porque tem coisa mais interessante passando na TV, mas dizem por aí que o time tá bem e que eles têm também lá sua cota de gringos apresentando bom futebol. Vamos esperar. Já vai ter passado o Carnaval, mas o lado de lá em breve começa a fantasiar o tal do “a gente quase não perde Final pro Flamengo... A gente quase não perde Final pro Flamengo...”. Daí é hora de rasgar essa fantasia também, já que o principal motivo é que eles quase nunca CHEGAM até as partidas decisivas, e por mais que sejamos poderosos, não dá mesmo pra coletar triunfos em jogos que não existem.

Um doce pra quem adivinhar o que a turma do terno e gravata anda fazendo em pleno Carnaval? Acertou quem arriscou que a atividade é a mesma da semana passada. Curtir a luz dos holofotes, tentar organizar uma simples partida de futebol e saber como e onde será realizado o Fla-flu. A procissão segue de forma semelhante a que antecedeu Flamengo x Vasco. As opções até o momento são: pequena esperança de Maracanã, escolha que deveria ser óbvia pelo Engenhão com duas torcidas, e Brasília correndo por fora para receber uma surreal decisão de Taça Guanabara sendo disputada tão longe do Rio. Quando o público for pífio que nem o da tarde de sábado no Raulino de Oliveira, daí a gente bate palma pros (i) responsáveis.

Fonte: GE

Guerrero volta a relatar provocações de Rodrigo, do Vasco.



O clássico em Volta Redonda marcou outro duelo particular entre Guerrero e Rodrigo. Assim como nos confrontos recentes, a disputa entre o zagueiro e o atacante foi pegada do início ao fim. Após a vitória por 1 a 0 que decretou o fim do jejum de nove jogos Flamengo diante do Vasco, o camisa 9 rubro-negro comentou o novo encontro com o adversário.

- Ele que fica tentando me tirar do jogo, mas eu mantive a calma. Fiquei firme e concentrado no jogo e não caí na provocação dele - disse Guerrero.


Artilheiro do Flamengo na temporada, Paolo Guerrero foi um dos personagens centrais da rivalidade durante os últimos dias. Na semana passada, gerou polêmica ao citar que o Rubro-Negro é ''sempre favorito'' diante do Vasco. O adversário respondeu nas redes sociais e o assuntou rendeu em São Januário.

- Tranquilo. É do jogo. Está ligado ao futebol. Agora é manter calma, descansar a mente para tentar ganhar essa taça (...) A gente sabia que tinha que entrar em campo ligado, que ia ser um jogo bem pegado. Mas conseguimos sair com a vitória. Pelo momento e união do time, merecíamos ganhar. conseguimos mostrar mais uma vez que o time está para brigar por muita coisa.

O técnico Zé Ricardo terá a semana cheia para preparar a equipe para a final da Taça Guanabara, diante do Fluminense. Apesar da partida ser a três dias da estreia na Libertadores, diante do San Lorenzo, o técnico não projeta poupar jogadores.

Fonte: Globo Esporte

Campeão da Copa do Brasil pelo Fla desabafa: 'Pareceu que meu mundo desabou'



Após passar por um dos períodos mais difíceis da carreira, Vinícius Pacheco finalmente voltou a sorrir. Foram mais de nove meses longe dos gramados após sofrer uma grave lesão no joelho em uma partida pelo Avaí contra o Sampaio Corrêa, em maio do ano passado pela Série B do Campeonato Brasileiro.


"Foi um lance muito bobo. Subi pra cabecear e infelizmente rompi meu tendão no salto, um movimento que faço normalmente. Na hora pareceu que meu mundo desabou. Naquele dia tinha completado um ano que estava liberado de uma lesão grave no mesmo joelho. Estava todo feliz. Isso foi muito duro para mim", recordou o jogador, ao ESPN.com.br.

O trauma ainda estava recente: o atleta havia passado pelo mesmo problema quando defendia o Boavista, em 2015. O processo de recuperação foi lento e bastante doloroso. Após passar por uma nova cirurgia, ele começou a fisioterapia uma semana depois.

"Os primeiros dias foram muito difíceis e fiquei muito abatido e cabisbaixo. Era apenas meu terceiro jogo, segundo no Brasileiro da Série B. Esse primeiro período foi terrível. O processo de recuperação foi bem dolorido, primeiros dias sentia muitas dores no joelho".

Durante os meses seguintes, o apoio familiar foi fundamental para Vinícius não desanimar.

"As principais pessoas que ficaram do meu lado foram minha família, esposa e filhos. Eles me ajudaram no momento mais difícil. Eles estavam vendo o jogo no estádio e recebi todo suporte. Não conseguia fazer nada sozinho, precisei esperar três dias para fazer a cirurgia. Minha esposa que me ajudou nesse processo de internação e operação".

"Contei com a ajuda dos fisioterapeutas do clube que são excelentes. Eles tiveram muita paciência comigo e me deram todo suporte. Tenho que agradecer demais ao Ricardo, Marcão, Mau Mau e o Ari, além do Ricardo Rosa, que é nutricionista".

"Eu fiquei junto com a minha família, fui aos aniversários dos meus filhos. Coisas que perdemos por causa da rotina. Quando jogamos, ficamos muito distante deles. Como não viajava com o resto do elenco, eu ficava em casa".

"Estou 100% recuperado e trabalhando normalmente com meus companheiros. Estou recuperando minha forma física e técnica. Estou muito feliz e na expectava para voltar a fazer o que mais gosto".

Com saudades de fazer o que mais gosta, Vinicius comemora o reencontro com os colegas de time.

"Estou só recuperando minha forma física e técnica para poder em breve estar à disposição do treinador e pegando o ritmo. Estou feliz demais. Na fisioterapia você fica deslocado e faz horários e dias diferentes do resto do elenco. Chego no vestiário e vou para o campo. Isso não tem preço".

O meia de 31 anos quer o quanto antes ajudar o time de Florianópolis a conquistar um título e se manter na Série A do Campeonato Brasileiro.

"Esse ano será um ano abençoado para todo mundo aqui no Avaí. Minha intenção é voltar no Estadual e fazer um grande campeonato brasileiro. Estou focado e trabalhando muito para isso. Ainda não sei quando estarei em campo, mas estou evoluindo todos os dias".

Vinícius Pacheco foi revelado pelo Flamengo, clube pelo qual venceu a Copa do Brasil de 2006. Após ser emprestado para Paraná, Belenenses-POR e Ipatinga, ele conseguiu ter boa sequência no primeiro semestre de 2010 na Gávea.

"Os momentos mais especiais foram sem dúvida no Campeonato Estadual daquele ano. O que mais me marcou mais foram os grandes jogos que participei".

Pela Taça Guanabara, o Flamengo perdia por 3 a 1 para o Fluminense no Maracanã, quando o técnico Andrade colocou o meia no segundo tempo. Ele foi decisivo para a vitória por 5 a 3 do time que ficou conhecido como "Império do Amor", que tinha Adriano Imperador e Vágner Love no ataque.

"Eu dei duas assistências e viramos a partida. Fui muito elogiado pela minha atuação. Lembro daquele jogo com carinho especial".

Após a queda na Libertadores e perda do título do Campeonato Estadual, porém, ele perdeu espaço e foi emprestado para Figueirense, Grêmio, Estrela Vermelha, Náutico e América de Natal.

Depois de rescindir o contrato com Flamengo no final de 2014, ele acertou com Boavista, quando teve a primeira grave lesão. No fim do mesmo ano, o meia foi para o Volta Redonda, clube pelo qual jogou a Copa Rio e depois o Estadual de 2016. Após se destacar pelo Voltaço, o jogador foi para o Avaí. 

Fonte: Espn